Desabafos de segundas-feiras

Estou a ter demasiada sorte na vida. Dias simpáticos não me inspiram confiança.
Mudei de cidade para embarcar na aventura do novo emprego. Estou a trabalhar no primeiro hospital português acreditado pela King's Fund, num serviço excelente. Tenho uma casa nova e parece que foi feita para mim. Assim que li a parte do "T1 novo com 1 closet, ao lado do fórum Sintra" travei e aceitei a proposta sem pensar muito na coisa. Sempre quis um closet com espelho do teto ao chão. Para além disso tenho uma vista maravilhosa do quarto. E quem não desejaria viver ao lado de um fórum? Não sei se foi sorte ou azar receber o primeiro ordenado na exacta semana do Black Friday! Estão a imaginar a minha conta agora? Quem disse "quando trabalhamos para ganhar o próprio dinheiro já custa mais a gastar" disse tudo da boca para fora! Sacanagem. Estou finalmente num ginásio por minha conta, aderi à moda da depilação a laser, decorei uma casa à minha maneira, e umas outras coisas que sempre desejei ter/fazer.

No entanto... não me sinto totalmente satisfeita. Sou feliz mas não estou feliz. Detesto rotinas, temo não ter tempo para cumprir vários objetivos da minha vida. Por norma as pessoas chegam a esta fase e querem "assentar", eu não. Eu farto-me facilmente das coisas, das pessoas fugazes. Eu tenho tantas coisas definidas como prioritárias antes de me juntar, casar ou ter filhos. Não serei menos mulher por isso. Fui educada para ser independente, exigente e persistente. Faz parte da minha maneira de ser, não sou a favor da vida tradicional, de nos deixarmos guiar pelos objetivos de alguém. Não sou a favor de limites e talvez por isso nunca esteja satisfeita com nada. Gosto da extravagância, de correr riscos, de ser castigada e ser feliz por isso. 
Poderia não ter nada mas também poderia ter mais, e é nisso que me foco.  O melhor que poderia acontecer neste momento seria regressar para o meu cantinho no Brasil. Viajar a partir de lá, fazer voluntariado e deixar a minha alma consumir esses momentos. Eu quero, eu preciso disso. Não disto, desta monotonia, desta felicidade pobre e desfocada. Preciso de estar com pessoas loucas como eu, que não temam ultrapassar os limites, que reconheçam que a vida é curta demais para nos deixarmos "assentar". Preciso de pessoas fiéis a si mesmas, pessoas de atitudes e não de palavras. Pessoas que saiam da zona de conforto e arrisquem tudo porque sim, porque lhes apetece, com a certeza de que tudo valerá a pena. Pessoas de almas cheias e de sorrisos sinceros. É tão raro assim?