93º dia - Uma reflexão dele

Estou feliz porque ele finalmente teve a oportunidade de entender tudo aquilo que eu falava de forma entusiasta acerca do Brasil. Resumindo e concluindo, é isto mesmo.

"Já refrescado, a rotina voltou. Estar fora do país fez-me acreditar que o mundo é da forma que o fazemos e idealizamos, indiferente a culturas, valores ou crenças. Pronto, lá vem ele, bater mais no ceguinho...
A minha página, apesar de ser de carácter cientifico, informativo ou motivacional têm visto algum conteúdo argumentado por mim, sempre como ponto de referência a saúde e bem-estar físico e psicológico. Daí fazer questão de insistir em relatar, e dar a minha opinião sobre tudo o que assisto, e que por vezes me atormenta. 
Ignorando todos os valores morais e «burocrices», porque estava de férias e desliguei o sistema, desde o primeiro dia no Brasil que me perguntava a razão pela qual nós não poderíamos ser um povo mais alegre, espontâneo e otimista. Parece que nos esquecemos quem somos, e estamos apenas preocupados para onde vamos. Na rua, senti-me um rei, e eu que não me considero a pessoa mais simpática do mundo. Parecia que todos tinham feito a 2ª classe comigo. Uns cantavam e tocavam tão mal quanto eu, mas ao passar parecia um concerto no MEO arena, outros vendiam pecinhas que jamais irei comprar, e mesmo depois de tantas negas, foram mais as vezes que eles agradeceram do que eu a eles. E quando entrei na academia? Bem, que vitalidade! A disponibilidade em ajudar, em perguntar até se o ar condicionado estava a incomodar, de onde era, para onde ia, e o que estava ali a fazer. Não passei despercebido, pensei eu quando saí. Dentro do ginásio na maioria dos dias estavam cerca de 40 pessoas às 10h00. Cerca de 30 eram do sexo feminino. Mais não posso adiantar. Eles são viciados no fitness e têm orgulho disso, é a imagem que eles escolheram. 
Após pisar o meu país, eu senti que também fazia parte desta melancolia, deste país de suicidas, mas deu-me o click para mudar algo que nunca escolhi. Por isso a minha missão será também esta, viciar todos a alterar a nossa visão sobre o mundo, o nosso pequeno mundo. Quanto à saúde? Ou nós a respeitamos e encaramos de frente, ou então passaremos a vida na sombra da doença.
Boa noite e bom descanso atletas!"
André Cambim