79º dia - Lagoa

Durante a noite acordei e meti-me a olhar para o teto a pensar na vida, quando estiquei a minha perna toquei noutra e assustei-me! Dei um pulo, resmunguei e pensei "quem é o danado que está aqui a dormir comigo???" aí eu me lembrei que o namorado chegou ontem. Coitadinho... é o que dá dormir sozinha durante alguns meses. Quando percebi que era ele até me senti aliviada, aliás, senti-me em casa. Ter que me levantar às 5h30 para ir para o estágio é que doeu, o aconchego dele sabe demasiado bem para deixar a cama. Mas fui. As horas demoraram a passar no hospital, mas mal cheguei a casa peguei nele e fui mostrar-lhe a Lagoa. O bairro de estudantes intercambistas, conhecido por ser juvenil, acolhedor, no meio da natureza, com lojinhas, esplanadas, bares, vista maravilhosa para a lagoa. Imaginem Vilamoura em agosto, mas troquem os apartamentos de luxo por casas de praia, troquem os Lamborghinis por caravanas e vans, troquem as pessoas pimposas vestidas por Gucci e Prada por pessoas de calções e chinelos, troquem o iphone 6S pela prancha de surf. É basicamente isto, e eu adoro.
Agora, meu amigos, leiam bem esta calinada dele: numa esplanada ele pediu um hambúrguer vegetariano e quando o hambúrguer chegou ainda reclamou por vir sem carne. Eu não sabia se deveria enfiar-me num buraco ou mandá-lo de volta no avião! Para o acalmar levei-o a comer pela primeira vez açaí com granola. Não sobrou nem uma semente. 

Passo agora a palavra a ele:

"Nunca antes tinha viajado de avião tão descansado, talvez pelo cansaço acumulado ou pelo desejo de chegar ao destino.
Fui alertado do clima, mas nunca pensei que fosse tão inconstante. Cheguei ontem e já me consegui constipar. Se for preciso chove na estrada e no passeio está sol para bronzear. Mas não convém ficarem muito tempo na estrada, isto porque a malta aqui tem o pé pesado (e estou a ser simpático demais). Já joguei GTA e há situações tão macabras que nunca pensei de ver. Nos autocarros/ônibus (para mim ainda são autocarros, e hão-de ser até que os zukas entendam) só será uma boa viagem quando o capotarem. Quanto à comida, em cada esquina há um restaurante, normalmente pizzarias, mas o que vale é que em cada esquina também há um ginásio, e até já estou inscrito num deles para matar o bichinho.
Quanto à cultura em si, não consigo identificar muitas diferenças para Portugal, afinal de contas, eles dizem que se trata de um «paraíso brasileiro». A ilha tem a mesma população que Lisboa e só ainda vi um sem abrigo, aqui existe bastante poder económico. Quanto ao perigo não é como julgam, andamos pela rua à noite como se estivéssemos em Reguengos.
Tinha a autorização dela para escrever 4 linhas mas consegui um bom excerto.
Se gostarem, podemos até dispensar a autora do blog e eu assumo o cargo. Basta um baixo assinado! Conto com vocês! Agora vou só ali ao centro da cidade, de calções, chinelos, cava e um guarda-chuva. Mais vale prevenir do que remediar! Ah, açaí é top! E o hambúrguer vegetariano de cá não leva hambúrguer, que trolada deles!" 

André Cambim