28º dia - Sinto-me pequenina

Se dói? Dói. Claro que dói, acompanhar o processo de tratamento de pacientes oncológicos não tem sido fácil, pessoas essas por quem vou tendo um carinho especial por ter que puncionar as suas veias (dramático), por ouvir as suas histórias de vida, como chegaram ao diagnóstico, como se sentiram, o que fizeram e o tamanho da força com que lutam. Incrível como todas elas dão valor às pequenas coisas da vida, aos momentos e sorrisos esboçados. Todas elas me ensinam diferentes maneiras de viver, como ultrapassar dificuldades e como ser feliz com tão pouco. Fazem-me reflectir sobre diversas situações que vivi onde poderia ter sido menos gananciosa e mais humana. Muitas vezes sentimos que somos boas pessoas, que ajudar um cego a atravessar a estrada é o suficiente, mas quando conheces pessoas bem mais humanas com experiências incríveis sentes-te pequenino, sentes-te um passarinho fechado numa gaiola e descobres que afinal não és assim tão bom, que poderias ser melhor se isto ou se aquilo. Aí, se quiseres mudas a tua perspectiva, os teus ideais e princípios, sais da gaiola, aprendes a voar e... ou mantens o equilíbrio ou cais. Neste momento estou a aprender a voar. 
Menos parlapiê e mais atenção. Dos 5 sentidos, a audição é a melhor porta de entrada para histórias e aprendizagens. Descobri isso quando perdi a minha.