1° dia - Florianópolis

Cheguei a Floripa de casaco de cabedal e botas de inverno, assim que saí do avião comecei automaticamente a suar por todos os poros, 25°C a chover e um calor abrasador, nem em Portugal com 40°C está este calor. O meu study buddy lá estava à minha espera. Levou-me até à melhor zona da ilha, a Lagoa, onde estão os jovens e intercambistas, vidros abertos e musica alta. Mesmo como nos filmes sim. Fiquei encantada com tudo o que via, as casas, as paisagens, as pessoas.. tive logo a certeza que nasci no país errado. Pormenores interessantes que adorei: as pessoas conduzem descalças, andam sem blusa, está sempre a dar musica na rua, anda tudo na descontra, aqui fala-se com um beijo e um abraço, sorriem por tudo e por nada e não sabem o que é o suicídio. Deviamos pegar em Portugal e encaixa-lo aqui, haveria melhorias de certeza. Impossível alguém nao gostar disto. 
Depois o meu study buddy levou-me a uma das mais belas praias, a praia da Joaquina, dizia ele q a agua estava gelada, mergulhei os pés.. gelada??? Assim a do Algarve está o quê?? Após isso deixou-me no meu hostel onde ficarei por 3 noites até encontrar casa. 
Tenho um colega de quarto de São Paulo que veio de férias sozinho, vejam o espírito! Fomos jantar e ter com uma portuguesa. Andavamos a passear quando começou a chover torrencialmente, corri para me abrigar mas as pessoas continuavam na descontra à chuva... ok! Quando voltei para o hostel conheci os dois portugueses do Porto com quem já tinha falado e combinado ir procurar casa. 
A noite passou bem e agora vamos tomar o pequeno almoço e procurar casa, embora nos tenham convidado para irmos conhecer as praias do sul numa van... fica para domingo! Aqui já vou aprendendo umas expressões. Já esqueci o "autocarro" pois é ónibus, "comboio" é trem, "casa de banho" é banheiro, dizes "bué" e riem-se da tua cara. Palavras que são iguais mas que nao entendem.. se falares no sotaque deles já percebem, por exemplo "basquet" não entendem mas se disser "basketch" já percebem. Ok!! 
Até logo!