29 outubro 2015

Porto

Decidi partir em direcção ao Porto sem planos. Enquanto estive no Brasil perdi a conta das vezes que me perguntaram como era o Porto e era vergonhoso não saber responder. Um terço dos brasileiros que conheci já tinham ido ao Porto... e eu não portanto. Parti sábado às 6h da manhã e quando lá cheguei é que procurei por um quarto. Assim como gosto, sem planos e barato.
Quanto aos pontos turísticos, consegui ver (quase) tudo o que havia para ver (o quase é uma desculpa para lá voltar). A primeira coisa que fiz foi provar a mítica francesinha! Rendi-me sim e agora já ia outra.
Aproveitei para passear pela Rua de Santa Catarina, uma rua apenas para pedestres com a maioria das lojas tradicionais. Nessa mesma rua encontrei o Café Majestic, fundado em 1921, um dos locais com mais glamour da cidade e considerado o 6º café mais bonito do mundo! 
Foi obrigatório passear a pé pela Avenida dos Aliados e admirar a bela arquitectura dos edifícios que a rodeiam. Bem pertinho fica a Livraria Lello & Irmão, que considero um ponto de visita incontornável da cidade. É considerada uma das mais belas do mundo! Devido ao deslumbramento da livraria decidi fazer o treino cardio do dia subindo os 240 degraus da Torre dos Clérigos. Do cimo consegui observar praticamente todos os pontos da cidade. Embora não tenha ido até à casa da Música, consegui vê-la da torre, uma fantástica obra arquitectónica desenhada pelo holandês Rem Koolhaas.
Um dos pontos principais do meu roteiro pelo Porto seria reencontrar o pobre desgraçado que me aturou durante todos aqueles meses no Brasil. Reafirmo: os amigos do intercâmbio são para a vida! Ele foi o meu guia turístico e levou-me ao local mais bonito do Porto, a ribeira. Cruzámos a Ponte Luís I em direção à marginal de Vila Nova de Gaia. Encontrei todo o tipo de bares e restaurantes, com vistas panorâmicas sobre o Porto! Acabei por jantar no restaurante Rabelos, lindo por dentro e por fora, atendimento cinco estrelas! Um conselho: senta-te numa esplanada na zona ribeirinha, pede um copo de vinho e simplesmente desfruta do momento…
Deixa o Estádio do Dragão para o final mesmo finalzinho da rota (com esperança de não haver tempo). Tinha o estádio do meu lado direito e não o encontrava, não fazia ideia que aquela caixa de cimento poderia ter um relvado com duas balizas lá dentro. O que me chamou realmente à atenção foi o shopping Dolce Vita Porto, incrível. Por acaso nesse mesmo dia jogava o Porto contra o Belenenses. Distraí-me por 5 minutos e foi o suficiente para encontrar os rapazes (benfiquistas) na bilheteira!! Não podia acreditar, tentei mil negociações para fazê-los desistir da ideia... até que me lembrei que o Casillas ia jogar! Tentei disfarçar o entusiasmo e a mudança de ideia repentina com um "pronto ganharam, vamos lá ver o jogo... se tem mesmo que ser", quando oiço um "deixa, vamos voltar para Lisboa". O QUÊÊ?? E o meu Casillas?? Tive que ir afogar as mágoas na Nut'Porto... se bem que o Casillas é bem mais doce que nutella.

Resumindo, não resisti aos encantos e deixei-me apaixonar pelo Porto. É uma cidade romântica com uma arquitectura deslumbrante. Bem mais bonita que Lisboa.





Rua de Santa Catarina




Majestic Café





Reitoria da Universidade do Porto

Livraria Lello&Irmão













Torre dos Clérigos



Igreja de São Pedro dos Clérigos


Sé Catedral



Ponte D. Luís I













Zona Ribeirinha, Rio Douro






Rabelos, Restaurante Bar




Rua das Flores



Nut'Porto


Sem comentários:

Enviar um comentário