26 junho 2015

O contra-regresso

Regressei em grande amigos! E quando digo em grande, foi em grande mesmo.
Fiz escala em Porto Alegre e o voo atrasou, faltavam 10 minutos para o voo da TAP partir para Lisboa. Mal saí do avião fui a correr direito ao check-in e encontro um rapaz a correr em minha direcção "é a Verónica??"- mas que raio?? Como sabe o meu nome? - "sim, sou, porquê?", "O avião da TAP está à sua espera!!!!"
Pegou em mim que nem super homem, fez o check in por mim e levou-me até à zona de embarque pelos corredores privados lá deles. Tive que passar ainda pelo detetor de metais, e com todo o azar que tenho óbvio que alarmou e tive que ser revistada da cabeça aos pés! Depois pediram-me documentos da polícia federal que eu tinha tratado há 4 meses atrás, acham que eu me lembrava? Mais uma eternidade à procura dos documentos. Quando finalmente ia entrar no avião tinha o piloto à porta de mãos atrás das costas "é a menina Verónica?", "sim, sou, peço desculpa pelo atraso!!" "A menina já não pode embarcar", "está a brincar comigo?"- claro que estava. Mal entrei no avião tinha os passageiros todos a fitarem-me com olhos de ameaça! Cruz credo... nem ao banheiro fui a viagem inteira com medo deles.

Dormi 7 horas das 10 horas de viagem, passou num ápice. A aventura podia acabar por aqui mas quem me conhece sabe que era estranho demais. Cheguei ao aeroporto de Lisboa e percorri aqueles corredores infinitos até à recolha de bagagem, pensei "tiveram 10 minutos para mudarem as malas de avião, duvido muito que tenham tido tempo de encontrar e transferi-las". Esperei ansiosamente que as minhas duas malas surgissem no tapete.... 5 minutos, 10 minutos, 15 minutos e naaaaada. Prestes a ir aos perdidos e achados olho para cima para o televisor e leio "Istambul". Espera lá aí... Eu não vim de Istambul, olhei para trás e lá estavam as minhas duas malas sozinhas ali às voltas no tapete anterior. Eu juro que tento ser uma pessoa minimamente concentrada mas há sempre algo que me distrai por segundos. Por isso mesmo, a porcaria não podia terminar aqui.
Fui almoçar com os meus pais ao Fórum Montijo e quando vi o valor de dois minis pratos viro-me para a mulher "45 reais dois pratos destes???", o meu irmão só queria um buraco onde se enfiar. Foi instintivo, calculo automaticamente quanto dá em reais e aquele valor era monstruoso! Isto não acaba por aqui não. 
Antes de sair do Brasil levantei 10 reais para que pudesse ter uma nota como recordação. Tão não é que paguei um top de 10 euros na Stradivarius com a nota de 10 reais, que vale 3 euros?? Percebi isso no dia seguinte e a empregada nem se apercebeu!! Consegui o contacto da Stradivarius e pedi para falar com o responsável, contei o incidente e pedi desculpa.
Ele: "Pois, nós no final do dia no fecho da loja reparámos na nota e já tínhamos andado a ver nas câmaras quem teria sido. Agradecemos a sua sinceridade!"
Eu: "Não precisa de agradecer, mas eu ficaria muito agradecida se me devolvessem a minha nota de 10 reais, e pago o que devo claro" 
Ele: "Mas menina, já não podemos devolver a sua nota. Agradecemos imenso a sua sinceridade e por isso mesmo nem precisa de devolver o montante!"
Eu: "Desculpe?? Eu liguei para recuperar a minha nota. Eu quero a minha nota, é uma recordação de grande valor sentimental!"
Ele: "A sua nota já está no Banco do Brasil menina!" 
Eu: "Como assim???"  
Eu queria a maldita nota!!! E porque raio confundi as notas?? Amigos portugueses que ainda estão no Brasil, por favor tragam-me uma nota de 10 reais que eu dou-vos os 3 euros, hunf.

Quanto à adaptação, quando saí do aeroporto tive a sensação que estive apenas 2 ou 3 semanas fora. Entrar no meu quarto foi meio estranho, parece que foi tudo um sonho e que agora acordei. O que me faz acreditar que lá estive são os amigos que lá deixei e as fotografias que tirei. Tenho passado os dias meio deprimida sim, ainda me estou a ambientar...


Sem comentários:

Enviar um comentário