30 maio 2015

89º dia - "Roadtrip" c/ ele

Neste dia aproveitei o bom tempo para lhe apresentar 3 praias absolutamente lindas e as Dunas da Joaquina. Começámos pela Praia da Armação, fomos até à Praia do Matadeiro e por fim à Praia da Joaquina, a minha favorita. No final do dia fomos até às Dunas da Joaquina onde se pode fazer sandboard. Ele provou pela primeira vez água de coco e caldo de cana, bom demais! Água de coco prefiro misturada com abacaxi e Florianópolis prefiro com ele aqui (alguma sugestão para fazê-lo perder o voo de volta?).

















88º dia - Piscinas Naturais c/ ele

Como sou uma excelente namorada levo-o a conhecer todos os meus lugares favoritos da ilha. Nem ele imagina a sorte que tem. Desta vez levei-o à praia da Barra e à Prainha, fizemos uma pequena trilha que dava para as Piscinas Naturais. Para além da água ser límpida a paisagem é absolutamente encantadora! 
Quanto mais tempo passo aqui poderia custar-me mais estar longe de casa, mas é exactamente o contrário. Quanto mais estou aqui mais conforto encontro. 






















29 maio 2015

87º dia - Praia Mole c/ ele

Sabe bem sair às 13h do hospital e tê-lo lá à porta à minha espera, as horas passam a correr e a vontade é outra. Fui apresentar-lhe a praia dos surfistas e passámos um final de tarde tããão bom! Ele não se entende com os brasileirismos, tenho de lhe traduzir tudo. Quanto às caronas, ele acha que mais depressa é assaltado do que chega ao destino. Até agora tem corrido tudo certo, tirando o facto dele ser um menino de cidade e eu uma menina de campo. Ele caminha com sapatos confortáveis, eu caminho descalça. Ele come com talheres, eu não me importo de comer com as mãos. Ele dorme num colchão ortopédico, eu durmo numa tenda. Ele penteia o cabelo todas as manhãs, eu saio à rua com ele conforme acordo. São exemplos de banalidades que nos diferem um do outro. Peças de puzzle não encaixam se forem iguais.













28 maio 2015

86º dia - (ini)amigos

Uma coisa que me tira realmente do sério é ver gente preocupada com o que os outros dizem de si. Gente dos 15 aos 40 anos inclusivé. Para piorar fazem questão de mostrar o quão isso as afecta através de textinhos da treta no facebook. "Parece que sabem mais da minha vida que eu. (...) Falarem nas minhas costas significa que ando à vossa frente, bla bla bla" oh minha geeente, santa paciência! Como se a vida girasse à volta de comentários, como se o nosso bem-estar dependesse do que os outros acham. 
Quando julgas que todo o mundo diz mal de ti, no fundo são só 2 ou 3 pessoas. Quanto mais ignoras mais as irritas e, consequentemente, mais feliz serás. Enquanto viveres terás sempre alguém que não vai com a tua cara, mentaliza-te. A quantidade de amigos é proporcional aos inimigos. Se tens 10 amigos, terás 2 inimigos, se tens 20 amigos, terás 4 inimigos e por aí adiante. Quanto maior a popularidade mais exposta ficas. É impossível agradar a todo o mundo, enquanto alguém te adora por tal qualidade, outra odeia-te por essa mesma característica. Haverá pessoas que não gostam de ti só porque a amiga também não gosta, porque tens uma mala igual a ela, porque és uma mera ex de um desgraçado qualquer, porque tens mais gostos que ela numa fotografia, ou te odeiam porque sim. É ridículo haver pessoas tão pequeninas assim, mas existem. Agradar a todos é uma missão impossível. Agora manter a atitude, ter juízo e comportar-se como uma mulher já é possível (digo apenas mulher, percebem porquê).
Com o passar dos anos fui deixando de me preocupar, se antes me incomodava qualquer comentário, hoje rio-me dele. Não tenho inimigos mas sei que posso ser inimiga de alguém, estou tranquila pois sei que nada fiz para tal. Provavelmente pessoas que eu nem me lembro que existem mas que se algum dia precisarem terão sempre o meu apoio. Não guardo rancores, não sou capaz de odiar alguém, pois esse alguém tem outras dezenas de pessoas que a amam, por algum motivo é, certo? Pode ser falsa para mim e para os amigos ser a pessoa mais honesta do mundo. Quem somos nós para julgar quem quer que seja? Ninguém é melhor que ninguém. Não é por termos mais dinheiro, mais formação, mais amigos que somos melhores que aquele zé-ninguém. Um zé-ninguém que amanhã pode ser o teu chefe, pode ser o médico que te salva a vida ou simplesmente te abriga no seu guarda-chuva num dia chuvoso. 
Depende de ti acrescentar o "a" ou o "ini" ao "migo". Mais vale seres inimigo de alguém do que esse alguém ser o teu inimigo. Não menosprezes ninguém, dá uma oportunidade e limpa a tua consciência.
Não se preocupem com o que possam comentar, não percam tempo com indiretas infantis, vivam a vida de forma descontraída. Admirem-se a vocês próprios, sejam únicos e especiais. Libertem as más energias, foquem-se no que vos faz realmente bem e em quem vos ama. Positividade acima de tudo. 
Boa noite galera :)

26 maio 2015

85º dia - Boring

Já faz uma semana que ele está aqui comigo, o tempo está a passar demasiado rápido para o meu gosto. A chuva não ajuda nos passeios, o moço trouxe 2 ou 3 calções de banho só para ocupar espaço na mala. Temos almoçado e jantado fora quase todos os dias e na verdade compensa. A maioria dos restaurantes têm buffet a peso. Estes dois pratos aqui em baixo, sabem quanto foram? 4€ cada um. Basicamente aqui no Brasil o que é considerado necessidade básica humana é barato, o que for indispensável à vida é caro, como por exemplo: electrodomésticos, video-games, roupa da Zara, esteticistas, etc. Aqui no Brasil a presidente Dilma não é muito adorada... pelos ricos. Porquê? Porque ela utiliza uma estratégia de equilíbrio, tenta que os ricos não sejam tão ricos e que os pobres deixem de ser pobres, dando-lhes direitos que os ricos não têm, por exemplo. Em Portugal eu vejo exatamente o contrário. Ricos a ficarem cada vez mais ricos e com mais direitos, e os pobres cada vez mais pobres e com menos direitos. Ainda tenho esperanças, ainda.
Aqui no Brasil tudo o que envolve o sistema público é gratuito. Universidade pública? Gratuita. Hospital público? Totalmente gratuito. Aí em Portugal quando fui parar às urgências tive de pagar todos os gastos. Não sou ninguém para comentar estes assuntos, política não é comigo nem nunca será.
Eu orgulho-me de ser portuguesa, vejo o encanto nos olhos dos brasileiros quando refiro a minha nacionalidade, mas o meu país desilude-me cada vez mais. Faz-me perder a vontade de continuar a criar memórias dentro dele.


24 maio 2015

84º dia - Surpresa?!

E quando eu julgava que o dia tinha terminado, os profissionais do serviço de Quimioterapia decidem tornar o meu aniversário ainda mais especial! Um obrigado do fundo do coração pela surpresa, pelo presente, pelo carinho, por todo o amor que me dão. Obrigada por serem uma família para mim quando a distância é tudo o que tenho! Com vocês sinto-me em casa. Um obrigado nunca será suficiente!
É por isto que eu adoro cá estar, é por isto que eu não quero ir embora. Conheci pessoas e fiz amigos extraordinários que vou levar para sempre no meu coração.

PS: Um obrigado especial à enfermeira Michele que não pôde estar presente mas fez parte da surpresa :')