02 abril 2015

34º dia - Um amor à prova de água

Já várias pessoas, tanto de Portugal como do Brasil, calcularam que estava solteira por estar a fazer intercâmbio. Quando informo que não estou solteira: "ahhh e deixaste-o em Portugal? Como foste capaz?? Ele não se chateou? Não tem ciúmes?? Não discutem?". Pessoal, mas em que mundo vivemos? Os meus pais educaram-me para ser independente, sempre me ensinaram que nunca iria precisar de ninguém para subir na vida. Deixar o namorado sozinho é mais grave do que deixar os pais? Aliás, se os meus pais deram-me liberdade para decidir era um namorado que me ia impedir? Meus amores, vivemos no século 21 e sei de imensas pessoas que deixaram de fazer intercâmbio por "amor". Sim, "amor" entre aspas, porque se fosse amor não o deixariam interferir. Se não fizesse este intercâmbio nunca me iria perdoar. Imaginem comigo: e se não fazem intercâmbio por ele/ela e passado uns meses ou anos ele/ela vos deixa? Como se sentiriam? Arrependidos no mínimo. E se fazem intercâmbio e a relação termina? É porque não era para durar, se não aguentam a distância então não aguentam nada. Melhor assim. Pensem sempre dois passos à frente.
Coloquem num lado da balança um jovem que fica longe da namorada por um período de estudos e no outro lado um soldado que deixa a mulher e os filhos por meses para lutar pelo país. Que dizem? Ridículo né? Já agora um bem haja a todas essas famílias!
Já há 5 anos que o meu namorado sabe que eu queria fazer intercâmbio, na altura de me candidatar foi a pessoa que mais me apoiou. Na altura que fui aceite foi o primeiro a felicitar-me. Na altura de partir foi o último a abraçar-me. Na verdade ao longo do ano anterior nunca falámos no assunto, só mesmo na véspera da minha partida é que conversámos, não discutimos, conversámos! Ciúmes? Do quê? Só se for por eu estar num clima quente e ele num clima frio. Eu vim aqui para estudar, estagiar e aprender, não vim para a vida loka à procura de relações noturnas. Ele sabe disso. Nunca tivemos medo que esta experiência nos afastasse, e acho que o segredo é esse: ter a certeza que vamos suportar a saudade, que esta fase é uma forma de fortalecer a nossa relação. Inseguranças é que não, dão cabo de tudo. Costumamos dizer que esta experiência é a prova de fogo (ou de água, uma vez que temos um oceano inteiro a separar-nos), se superarmos isto então superamos tudo. Arranjámos uma estratégia para que eu não fosse a única a viver uma experiência nova, então ele mudou de cidade, de casa e de emprego. Estamos ambos a viver vidas novas e todos os dias temos novidades para contar. É simples. Não nos devemos sentar e esperar como se a vida tivesse parada meus amigos. O relógio não pára. Os anos passam e vocês estão no mesmo sítio, na mesma casa, com o mesmo cheiro, em frente ao mesmo computador... a ler o mesmo blog todos os dias. (esta última parte não precisam de mudar). Cuidem-se, não coloquem nada nem ninguém à frente dos vossos sonhos, estabeleçam metas e tracem planos. Antes de aprenderem a ser felizes com alguém têm que aprender a ser felizes sozinhos. Algo que ajudará: viajem sozinhos, peguem na mochila e vão até Londres, Paris ou Veneza. Perceberão que não precisam de ninguém (a não ser para vos fotografarem... mas o famoso selfie stick resolve), há loucuras que sabem melhor quando não são partilhadas. Falo por experiência própria.

Sem comentários:

Enviar um comentário