23 março 2015

24º dia - Termos diferentes

Neste sábado fiz plantão pela primeira vez, trabalhei das 7h as 19h, doze horas num hospital! Não me posso queixar, quando temos uma equipa de trabalho fantástica o tempo passa a voar e o turno torna-se bastante produtivo ao lado de uma enfermeira excelente!
Esta semana a integração foi um pouco difícil devido aos termos e forma de trabalho diferentes de Portugal. Quanto aos termos, por exemplo, em Portugal hipertensão abrevia-se HTA, no Brasil é HAS. Eu via aquela abreviatura em tantos processos e não sabia que raio significava. Mais exemplos:
Em Portugal, cateter venoso periférico, CVP - no Brasil abrevia-se AVP.
Em Portugal, AVC - no Brasil abrevia-se AVE.
Em Portugal, arrastadeira - no Brasil diz-se comadre. Estão a ver a minha reacção quando me pedem para ir buscar a comadre não estão? "Desculpe? A minha comadre?"
Em Portugal, urinol - no Brasil diz-se papagaio. Isso, não me perguntem porquê, essa ainda estou para entender, mas que me ri, ri.
Em Portugal referimo-nos ao medicamento pelo nome genérico - no Brasil referem-se pelo nome comercial, o que torna tudo mais complicado para mim.
Em Portugal, quando uma pessoa está sem febre dizemos apirético - no Brasil, afebril.
Em Portugal dizemos glicemia a 130 - no Brasil dizem HGT a 130.
Em Portugal dizemos "vamos fazer um penso" - no Brasil dizem "vamos fazer um curativo".
Em Portugal dizemos "vamos algaliar" - no Brasil dizem "vamos passar sonda", quando perguntei à enfermeira se ia algaliar o paciente ela pediu-me para repetir e riu-se. Algaliar no Brasil é outra coisa, e ruim.
Em Portugal dizemos rapariga - no Brasil dizem menina ou moça. Rapariga é uma menina das esquinas, se é que me entendem. Muitas vezes deixo sair a palavra rapariga e todos os olhos se viram contra mim.
A melhor das melhores foi quando fui ao supermercado da última vez, passei pela caixa e a senhora com muita simpatia e gentileza, olha-me nos olhos e diz "São 12 pilas minha querida", eu "hum? Desculpe? Não ouvi bem, devo estar sem pilhas...", ela "DOZE PILAS!!", eu "Isto é alguma piada? Eu não tenho uma pila quanto mais doze!". Aí a mulher começou a rir que nem uma louca que quase caiu da cadeira, recompôs-se e perguntou-me se era brasileira. Lá me explicou que aqui costumam substituir o Real por Pilas, portanto eram 12 reais. Nunca mais me esqueci, como é que havia de me esquecer. Pilas... onde é que isto já se viu.

Sem comentários:

Enviar um comentário