12 março 2015

13º dia - Basquetebol Universitário

Nesta manhã fui a um encontro de alunos de enfermagem, o Interfases. Foi no auditório da reitoria e fartei-me de rir, os alunos dos vários semestres faziam pequenos teatros a imitarem os professores, enfermeiros e até mesmo as longas noites de estudo. Umas professoras chegaram ir ao palco dançar! Os professores daqui são mais informais, criam laços de amizade com os alunos, são divertidos e falam-nos sempre com um beijo e um abraço. Em Portugal, os professores no geral tendem a ser mais formais, impondo uma certa distância entre professor-aluno, não te cumprimentam e na maioria das vezes não lhes interessa se faltaste à prova por motivos de força maior, vais a exame e pronto, desenrasca-te. Aqui não!
Passei a tarde toda no campus da universidade (o campus é do tamanho de Reguengos quase, só para terem uma noção circulam carros e ônibus lá dentro), tive o prazer de conhecer a Esther, finalmente! Falávamos já desde Dezembro e andávamos desencontradas por aqui. Ela é um encanto de pessoa!
O ponto alto do dia foi mesmo o treino de basquet. Inscrevi-me na equipa de basquetebol feminino da Universidade Federal de Santa Catarina, tinha de ser, o basquet tinha de vir comigo. Às 19h começaram a chegar as raparigas e comecei a ter um certo receio. Primeiro que tudo chegaram e fingiram que eu não estava ali, do género "coitada, o que é que esta vem para aqui fazer?", depois todas elas altas, ténis de basquet lindos, uma com joelheiras (para estar lesionada joga muito de certeza), outras com fitas na cabeça, e até uma com óculos "de natação", se é que me faço entender. Onde eu me vim meter! Devem ser todas federadas e agora passo uma vergonha do caraças! Qual quê amigos... quando elas pegam nas bolas e começam a driblar com as duas mãos --> BANG! Morri. Lançamentos com duas mãos que nem tocavam na tabela, entradas na passada com 4 ou 5 passos! Epa não, vou-me embora! Depois de 10 anos a jogar basquet não posso regredir! Uma delas perguntou "então não jogas?" do género "estás com medo?". Ai migos... ia-me dando um treco! Peguei na bola apenas quando o treino começou e o treinador deu alguns exercícios básicos para fazermos, como entradas na passada, lançamentos e etc. Imaginem, a maioria veio-me falar como se me tivessem visto só naquele momento, uma chegou a perguntar como é que eu fazia aquilo. Mas aquilo o quê? Lançar e marcar. Nem tive resposta. Não é que eu jogue muito bem, mas ao lado de algumas delas sentia-me uma jogadora da NBA (lamento). No final do treino jogámos e claro que a minha equipa ganhou os dois jogos, nem podia ser de outra maneira. Senti falta da minha equipa, enquanto jogava pedia bloqueio e nenhuma delas sabia o que era o raio de um bloqueio, só me lembrava da minha Lena ou Teresa que nunca me falhavam. Sarcasmos e ironias à parte, até gostei delas, eram queridas e não estavam nem aí para serem melhores, estávamos ali para nos divertirmos e assim foi :) 
O treinador veio falar comigo no final e subiu-me para o escalão avançado que teria treino às 21h. Conclusão: treinei em ambos os escalões, 3 horas de treino. Cheguei morta a casa! Este último escalão sim, deu luta e consegui treinar como deve ser. 
Estou feliz, nada me faz sentir melhor do que jogar basquet e descarregar energias negativas. Já tinha saudades.


Sem comentários:

Enviar um comentário