11 janeiro 2015

José, El Portugués

Prometi à minha mãe que este seria um bom ano para a nossa família. Falhei para ela e Tu falhaste-me. Quanto mais fé tento ter, quanto mais tento confiar mais me desiludes. Quanto mais cuido da família dos outros mais pessoas levas da minha. Não aguento mais, Senhor.

Ele levou-te durante os teus sonhos sem ninguém esperar, avô. Após tantos anos preso ao teu maldito corpo quero acreditar que neste momento te sentes livre e aliviado. 
Quase 50 anos de casamento. Não conheço nenhuma guerreira como a avó! Faço questão de contar para que percebam que quando há amor, vontade e coragem tudo é possível. Sempre observei intensamente o que me inspirava neste casal. Foi diagnosticado ao meu avô Esclerose Múltipla há 28 anos, uma doença degenerativa. Da independência ao caminhar para a bengala, da bengala para o andarilho, do andarilho para a cadeira-de-rodas, da cadeira para a cama. Como será ver o homem da nossa vida perder as forças desta maneira? Como será lutar contra umas meras células que nos destroem por dentro? Ele não podia mais levar-lhe o pequeno-almoço à cama mas durante 14 anos a minha avó deu-lhe de comer. Nenhuma mulher aguentaria dar banho e muito menos mudar fraldas ao marido durante 14 anos como ela sempre aguentou e raramente se queixou! Colocá-lo num lar nunca foi opção! Deu-lhe a melhor qualidade de vida que poderia ter, uma carrinha adaptada à cadeira-de-rodas para poder levá-lo de férias; uma cama adaptativa; uma cadeira de rodas automática; outra cadeira para o banho; substituiu a banheira por um poliban próprio; um elevador para levantá-lo da cama quando as forças dela começaram a falhar. NUNCA desistiu dele! Nunca vi amor mais verdadeiro e puro por uma pessoa! Quando me perguntam qual a enfermeira ideal eu respondo: a minha avó, apesar de não o ser, foi. Tenho tanto mas tanto orgulho nela, não vai ser fácil alterar toda essa rotina que tinha sempre em prol do meu avô, mas estou aqui para ajudar. Ainda ontem estivemos todas lá em casa, como em jeito de despedida, como se adivinhássemos. Ele nunca se queixava, estava sempre tudo bem para ele. Ninguém fazia ideia, ninguém esperava. Hoje ele não acordou. O coração parou.

Agora avô, anda, corre e cavalga como tu tanto gostavas. Vai ter com o teu pai, com o teu amigo Mestre Batista e com os teus cavalos Lagarto, Zapatero, Cordobez... Estamos todos de luto por ti, sabes que foste uma figura memorável adorada por todos. Ninguém te esquecerá meu cavaleiro! Foi uma honra!
Até sempre.


Sem comentários:

Enviar um comentário