06 novembro 2014

Adeus Escola de Enfermagem

Mais uma etapa riscada da lista. Nunca pensei que me fosse tão difícil sair pela porta da Universidade pela última vez. Ficar parada a olhar para os letreiros da entrada tal e qual como a primeira vez que entrei, ao invés de dizer um "Olá", esboçar um sorriso e ouvir um "Bem-vinda!", alterei para um "Adeus", deixei escorrer uma lágrima e ouvi um "Foi um prazer conhecê-la, até um dia!". Quatro anos cheios. Cheios de histórias. Cheios de amizades. Cheios de estudos intensivos. Cheios de diretas. Cheios de quintas-feiras loucas e sagradas, as quais sem fins previsíveis. É pouco o que me faz ficar mas é preciso tanto para partir.
Eu sei, antes de começar um capítulo novo é preciso terminar o antigo mas o que passei aqui jamais voltará, e é isso que me assusta. Se no primeiro ano me sentia miserável e sozinha, após 4 anos sinto que pertenço a esta cidade, que esta escola será sempre a minha segunda casa, que os professores são os meus mentores, que os colegas são meus irmãos, e a minha casa? Esta casa é minha! O quarto é somente meu, estas quatro paredes foram o meu porto de abrigo durante 4 anos, o facto de pensar que alguém irá tomar o meu lugar, que irá destruir o que é meu, que irá manchar todas as minhas recordações, construir histórias por cima das minhas... assusta-me! Este quarto é meu poças!
Eu sei que temos que encerrar ciclos, fechar portas e terminar capítulos mas não sei se consigo deixar no passado os momentos da minha vida que já acabaram, eu sei que não posso estar ao mesmo tempo no presente e no passado... que venha o Fernando Pessoa cá a baixo e me diga como ultrapassar isso. Tal como ele dizia "o que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor intenção de voltar. As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora. Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja!) destruir recordações, mudar de casa..." Não, não quero, não quero desfazer-me de certas lembranças, de certas pessoas. Não quero ir embora. Não me quero desprender daquilo que me conquistou e me fez ser a pessoa que sou hoje. Há quatro anos não fazia ideia que me esperavam os melhores anos da minha vida. Eu realmente cresci. Se tivesse oportunidade de começar de novo não mudaria absolutamente nada.
Um obrigado do fundo do coração à turma XXIV CLE, cada um de vocês é especial à sua maneira! Orgulhar a capa azul, sempre! Para finalizar, um obrigado gigante aos meus pais por todo o apoio e por permitirem que eu vivesse os melhores anos da minha vida.

Bem... está na hora de mudar o disco, guardar o traje, limpar as lágrimas, limpar a casa, sacudir a poeira e fechar a porta.
(Mas não quero...)








1 comentário:

  1. Curso tirado em Beja acertei ?
    Estou a perguntar porque eu vou concorrer a maior de 23 e Beja e uma das hipóteses entre outras como evora e castelo branco e pelos posto que li no blogue que me foi apresentado por uma amiga minha tu amas a profissão e por esse motivo acho que serás uma boa pessoa para me dar a opinião da escola com conhecimento de causa ! Fico a espera da resposta é boa sorte para a experiência no Brasil

    ResponderEliminar