27 abril 2014

Ervideira Ralli TT 2014

Terminou a 26º edição do Vinhos Ervideira Rali TT. A prova alentejana, que contou com a participação de quase 200 pilotos, foi fortemente disputada em todas as categorias.

Eu confesso, tenho uma paixão peculiar por velocidade e competições deste género. Se o meu dinheirinho cheirasse bem arriscava em participar. Deliro com velocidade e a verdade é que quem faz de meus co-pilotos referem que tenho o pé pesado (se me passassem para as mãos um daqueles Buggys ou Quad eu não sei onde iria parar não). Em quase 3 anos de carta não sei como ainda não fui multada por excesso de velocidade, dentro das cidades controlo-me (calma gente, os passeios são seguros). Conheço o risco e o perigo e por conhece-los é que a adrenalina é tão grande. 

«Miguel Barbosa vence categoria automóvel.
O atual campeão nacional de todo-o-terreno Miguel Barbosa, aos comandos de um Mitsubishi Racing Lancer, arrecadou mais uma vitória no Vinhos Ervideira Rali TT, desta feita, a sua oitava conquista nesta prova. “Foi um bom arranque para nós. É sempre bom começar com o pé direito e com esta vitória ganhámos 25 pontos que são muito importantes. Travámos uma luta renhida com o Ricardo Porém e com o Rómulo Branco, o que é excelente em termos de competitividade particularmente porque é um bom espetáculo para o público. Neste momento, estou satisfeito com o resultado, pois o meu objectivo foi cumprido”, referiu Miguel Barbosa no final da etapa.

Mário Patrão com vitória na categoria Moto.
A vitória na competição destinada à categoria moto do Vinhos Ervideira Rali TT coube a Mário Patrão, que gastou 2h58m a cumprir os 227 quilómetros cronometrados que compunham o traçado da corrida.
“Esta prova de Reguengos não costuma ser muito favorável para mim, mas felizmente este ano correu tudo bem e consegui ganhar. De manhã ganhei vantagem sobre o meu adversário e alcancei um tempo confortável que me permitiu gerir o 2º SS com alguma tranquilidade, sem ter que arriscar nada. Foi um bom resultado e estou feliz com o trabalho feito”, revelou Mário Patrão.

Beto Borrego líder na categoria Quad.
A competição destinada aos Quad decorreu sem surpresas com Beto Borrego (Yamaha), atual campeão nacional, a vencer o Vinhos Ervideira Rali TT. O piloto da equipa Race Punk gastou 3h03m43s a cumprir os 227 quilómetros cronometrados da prova. 
“Estou feliz com mais uma vitória, principalmente porque nesta prova já se realizaram três edições que integraram a competição quad eu subi ao lugar mais alto do pódio em todas elas. De manhã entrei com alguma cautela e não quis arriscar para poder atacar no troço da tarde. Consegui gerir muito bem a corrida e espero que continue a correr tudo bem até ao final do campeonato”, contou Beto Borrego.

João Dias vence categoria Buggy e UTV.
A competição dos Buggys e UTVs foi, uma vez mais, fortemente disputada com várias equipas a protagonizarem a luta pelo primeiro lugar. A vitória acabou por recair na dupla João Dias/ João Filipe que, aos comandos de um Polaris, cumpriu os dois sectores selectivos num total de 3h09m08s.
“Correu tudo bem. Tivemos uns problemas com a temperatura do carro que, felizmente, conseguimos resolver. Os nossos adversários estavam muito próximos de nós, mas conseguimos dar sempre o nosso melhor,” referiu João Dias.»

























18 abril 2014

Madrid ou Florianópolis?

Mesmo antes de ter entrado para a universidade já queria fazer parte do grupo de pessoas "Eu fiz Erasmus e adorei!". Agora que já me encontro no 3º ano chegou a minha vez. Inscrevi-me para a mobilidade Erasmus (Europa), na qual as vagas são distribuídas por turma, o que faz com que toda a gente seja seleccionada. Inscrevi-me também para o Programa Bartolomeu de Gusmão (Brasil), o qual tem apenas 6 vagas para a universidade TODA, e apenas dão bolsa para os 4 primeiros lugares, qual era a probabilidade de ficar entre os 4 melhores numa lista de 30 candidatos? Inscrevi-me mas descartei a hipótese de ser seleccionada. Ganhei inspiração para a Carta de Motivação (para quem se vai inscrever e precisa de escrever uma carta, no fim do post está a minha) e fui pela primeira vez entrevistada, uns nervos miudinhos que nem vos conto. Tive de falar em espanhol para o programa Erasmus, pois coloquei Espanha (tentava-me lembrar da minha mãe a falar, pois). Os resultados sairiam no final deste mês, NO FINAL, não no meio. Fui apanhada de surpresa com uma chamada a dizer que tinha sido colocada em Madrid (1ª opção do programa Erasmus). A felicidade era tanta que me esqueci que ainda me faltava saber se tinha entrado para o Brasil (claro que não entrava, parvoíce). Deixa la ir ver a caixa de entrada do Outlook... ok está lá um e-mail da lista dos seleccionados para o Programa Bartolomeu de Gusmão. Vamos lá abrir e começar pelo fim: humm, mais para cima... mais... mais... Enfermagem em 10º lugar?? Oh não fui seleccionada! Ah espera, não sou eu. Mais para cima... humm... Am? 4º LUGAR? Enfermagem? Verónica Freire? SANTA CATARINA, FLORIANÓPOLIS?? Comecei a chorar desalmadamente, a tremer desde as raízes do cabelo às unhas dos pés. A minha querida mãe fez o favor de chorar comigo e o meu adorado pai apenas disse "Foste seleccionada? Então agora vais", já para não falar do otário do meu irmão que esbanjou alegria pela casa ao saber que ia estar meses sem mim. 
Claro que estou entre a espada e a parede pois para Madrid vou com 2 colegas e a Universidade já está preparada para nos receber. Para Santa Catarina serei a primeira aluna de enfermagem a ir (e sozinha), nem eu nem a minha universidade temos feedbacks, eu é que terei que tratar da papelada toda, autorizações, negociações, inscrições e etc (já comecei, atenção). Já para não falar que uma colega minha depende da minha decisão, pois se escolher Brasil ela ocupa o meu lugar em Madrid. Mas... e se a Universidade Federal de Santa Catarina não me dá vaga? Fico sem faca e sem pão. Tenho passado as duas últimas noites a trocar e-mails com a Universidade Federal de Santa Catarina para estabelecermos um acordo.
Quando não temos nada queremos tudo, quando temos tudo desejávamos ter menos para ser simplesmente mais fácil. Tenho menos de uma semana para decidir e dar confirmação, por agora ficam só umas belíssimas fotografias dos dois locais.

MADRID 
(Já lá estive)







Florianópolis, Santa Catarina






















CARTA DE MOTIVAÇÃO 

«É com enorme entusiasmo que me candidato ao Programa Bartolomeu de Gusmão relativo ao ano letivo 2014/2015. Encontro-me a frequentar o 3º ano de licenciatura em Enfermagem, na data corrente. Para mim, ir para o Brasil através do Programa Bartolomeu de Gusmão foi uma decisão que tomei ainda na fase do secundário. Candidatei-me para o Instituto Politécnico de Beja já com conhecimento de que o Instituto tinha acordo com este programa. As razões que me levam a querer ir para o Brasil (Natal/Florianópolis) através do programa Bartolomeu de Gusmão são imensas, desde o desafio de explorar a cidade sozinha durante três meses, e conhecer o sistema de saúde do Brasil (SUS) tentando perceber a metodologia e práticas de enfermagem do país. É uma experiência única que sinto que preciso de viver para, entre outras coisas, poder contar na primeira pessoa o quão gratificante é esta experiência na vida de um estudante. O meu pai é viajante do mundo desde os 16 anos, as histórias e experiências que me conta das suas viagens fascinam-me. O entusiasmo e emoção com que as conta cativam-me, faz-me sonhar e querer seguir as pisadas dele. 
Gostaria de tirar partido desta experiência, tanto a nível pessoal, académico e profissional. Pessoal porque sou uma apaixonada pelo meu curso, persistente, disciplinada, sociável, pró-ativa e orientada por metas, que acredito serem importantes para um programa como este. Estagiar noutro país/continente irá alargar os meus horizontes, permitindo-me saborear a independência, ajudando-me desta forma a consolidar a minha autoconfiança. Estou recetiva a conhecer uma nova cultura e preparada para aprender coisas novas. A nível académico, frequentar um hospital num país/continente diferente vai fazer com que eu possa aplicar os meus conhecimentos obtidos na Escola Superior de Enfermagem de Beja e vice-versa, aperfeiçoando o meu desempenho académico. Profissionalmente, porque o Programa Bartolomeu de Gusmão pode oferecer-me novas perspetivas de emprego, visto que muitos empregadores têm em conta o facto de ter estudado em outro país/continente, tornando-se assim um elemento decisivo no meu currículo, no futuro. 
Em suma, a minha motivação para integrar o programa Bartolomeu de Gusmão, além dos benefícios a nível pessoal, académico e profissional, é também “conhecer por fora para crescer por dentro”. Será indubitavelmente um desafio único e inesquecível que não terei oportunidade de repetir.»

12 abril 2014

Inspiration #8 (com desabafo)

Um pouco de inspiração para aliviar a tensão. Esta semana pareceu um mês. Frequências, trabalhos e apresentações. Como é possível eu ter-me queixado da fase do secundário?! Daria tudo para voltar atrás novamente. Mas também não trocava a minha vidinha académica por nada! Está a ser das melhores e mais difíceis fases da minha vida. Cresci mais nestes 3 anos do que em qualquer outra fase. Ainda me falta um ano para terminar o curso mas se fosse possível deixava uma cadeira para trás só mesmo para aproveitar mais um bocadinho (os meus pais expulsavam-me de casa ou obrigavam-me a trabalhar para pagar as propinas). Para quem no início achava Beja secante, posso hoje dizer que pertenço um pouquinho a essa bela cidade. O segredo está nas pessoas que partilham a vida académica connosco e nos divertem até o sol nascer (e sim, a ressaca académica é lixada, literalmente, adormeces num local, acordas noutro). São muitas as histórias que ficam por contar, por partilhar, por relembrar, esboçando um sorriso/lágrima nostálgica.